Eleição 2014

Eleição 2014

31/08/2013

ATENÇÃO TODOS OS POLICIAIS E BOMBEIROS MILITARES QUE DESEJAREM INGRESSAR COM PEDIDO DE REFORMA AOS 25 ANOS DE SERVIÇO

UMA BOA IDÉIA APLICADA DE MANEIRA ERRADA


Cumprir o projeto político para o qual foi eleito, de maneira efetiva e consistente, é o sonho de qualquer governante. Tal legado permitirá não só que deixe o poder de cabeça erguida, mas também que se torne um exemplo a ser seguido pelos sucessores. No oposto temos o governante incapaz de deixar alguma marca pessoal relevante, e, por isso, fadado ao esquecimento. Não é difícil situar o governo da presidente Dilma nesse contexto, já que até o momento pode ser definido como uma gestão sem nenhum projeto próprio marcante, e, portanto, sem legado particular. Entretanto, parece que algo está mudando neste aspecto. Embora um pouco tarde, tendo em vista que o seu mandato se encerra no final de 2014, ela resolveu implantar o programa “Mais Médicos”, como uma espécie de vitrine de governo. Temos que reconhecer que o projeto de levar médicos até os rincões mais remotos do país é algo importante e merece elogios. Entretanto, a forma escolhida para implantar o programa é totalmente irregular.
Segundo amplamente noticiado, o Ministério da Saúde responsável pelo programa “Mais Médicos” não conseguiu preencher o número de vagas abertas com profissionais brasileiros. Assim, optou por contratar médicos estrangeiros para o preenchimento das vagas remanescentes, tendo inclusive assinado um convênio com a Organização Panamericana de Saúde (OPAS) para trazer quatro mil médicos cubanos para o país. Basicamente todos os profissionais médicos contratados receberão um salário mensal de R$ 10.000,00 além de uma ajuda de custo e moradia. Ocorre que a análise do modelo de gestão do programa traz a lume inúmeras falhas. Em primeiro lugar, ao arrepio das normas legais vigentes, o governo brasileiro dispensou a validação dos diplomas dos profissionais estrangeiros contratados, de maneira que é impossível aferir se realmente possuem capacidade para exercício da medicina no país. Essa é uma questão delicada. Como se sabe, um médico brasileiro, em caso de falha na prestação de seu trabalho, além de responder civil e penalmente, também pode ser julgado pelo tribunal de ética profissional, do Conselho Regional de Medicina no qual está inscrito, podendo até receber pena de cassação do exercício profissional. Ora, os profissionais contratados no programa “Mais Médicos” não estão vinculados a nenhum conselho de medicina, e, portanto, não serão fiscalizados e nem devidamente punidos nos casos de falhas profissionais. Deve-se ressaltar, ainda, que é até provável que os erros dos médicos sem diploma validado sejam encobertos pelas autoridades que permitiram o seu ingresso no país, temerosas de sua própria responsabilização civil e criminal. Infelizmente esta é a natureza humana. Portanto, para segurança da população é preciso restabelecer os mecanismos preconizados em Lei para o exercício da medicina no Brasil. Com a palavra o Ministério Público, que tem obrigação constitucional de exigir esclarecimento e transparência nessa matéria. Em tempo, recentemente o governo brasileiro negou a autorização para abertura de novos cursos de medicina e, inclusive, cancelou a licença de funcionamento dos cursos de algumas faculdades que não estavam qualificando adequadamente os formandos, porém no momento, incoerentemente está aceitando importar profissional estrangeiro sem sequer aferir o seu conhecimento e nem comprovar a sua qualificação técnica. Não tem sentido isso.
Em segundo lugar, temos a questão trabalhista. No caso dos médicos cubanos, o Ministério da Saúde fará o repasse do valor acertado para o governo cubano, o qual será o responsável pelo pagamento dos profissionais que vão trabalhar no Brasil. O detalhe curioso é que segundo amplamente noticiado, o governo cubano embolsará cerca de 70% (setenta porcento) do valor transferido pelo Ministério da Saúde, repassando para os médicos apenas o restante. Ora, como foram contratados para prestar serviço no Brasil, os médicos cubanos estarão sujeitos a lei brasileira, independentemente dos acertos e conchavos na esfera governamental. Nesse particular em muitos aspectos essa forma de contratação afronta as regras estabelecidas pela CLT, especialmente porque será impraticável aferir se a quitação do salário se deu na forma e prazos legais, no valor estipulado, etc. Ademais, como ficará a questão da subordinação dos médicos cubanos? Devem prestar contas a quem os contratou (governo brasileiro) a quem os selecionou (OPAS) ou a quem efetivamente pagará os salários (governo cubano)? Em caso de doença e/ou acidente ocupacional, quem será o responsável? Por outro lado, com relação aos profissionais cubanos existe ainda um agravante. Embora contratados para atendimento através do programa “Mais Médicos” do governo federal, vão receber um salário equivalente a 30% daquele pago aos profissionais de outras nacionalidades. Isso é ilegal, tendo em vista que se o profissional cubano executou o mesmo trabalho que o seu colega espanhol e/ou português, deve receber idêntico salário. Portanto, se o programa “Mais Médicos” paga R$ 10.000,00 pelo serviço de qualquer profissional contratado independentemente da nacionalidade, sendo que o governo de Cuba recebe o dinheiro, porém, repassa para os médicos cubanos apenas R$ 3.000,00 é fato que o Ministério da Saúde terá um grande problema, de vez que após três anos, quando findar o prazo da contratação, o médico cubano que se sentir lesado poderá entrar na Justiça do Trabalho, pleiteando a diferença de salário entre o que deveria ter recebido e o que efetivamente lhe foi pago no mês, que corresponde a R$ 7.000,00. Par se estimar o montante total da dívida, a conta é simples: 3 (número de anos da vigência do programa) multiplicando por 12 (número de meses do ano) multiplicado por R$ 7.000,00 (valor que recebeu a menos em cada mês), porém, o resultado é assustador. Ao findar o convênio, cada médico cubano teria direito de receber do governo brasileiro R$ 252.000,00 valor que seria efetivamente atualizado mês a mês, com juros e correção monetária. Agora imaginemos que não apenas um, mas sim, os quatro mil médicos cubanos resolvam pleitear na Justiça do Trabalho a isonomia de salário que a lei brasileira lhes garante? O prejuízo será bilionário. Difícil de acontecer? De maneira nenhuma. O ministro da saúde deveria saber que no judiciário trabalhista se aplica de maneira inflexível o seguinte adágio popular: “Quem paga mal paga duas vezes”. Será que o nosso governo está ciente desse problema e do risco de condenação na Justiça do Trabalho? Em caso positivo, está tomando alguma providência? As respostas ainda são incógnitas. Entretanto, recente declaração do advogado geral da União pode trazer algum subsídio para esclarecer essas importantes questões. De fato, segundo nota de imprensa (http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1331205-medicos-cubanos-nao-terao-direito-a-asilo-politico-diz-advogado-geral-da-uniao.shtml - link acessado dia 25/08/2013) ele foi enfático ao afirmar que após o fim do convênio do programa “Mais Médicos”, os cubanos deverão retornar para Cuba, e, em caso de recusa, serão forçados a isso. Essa proibição de permanência no País e a pressa no retorno para Cuba seria uma forma de dificultar e, até mesmo impedir o acesso dos médicos cubanos ao nosso judiciário trabalhista? Esse é um assunto que o Ministério Público do Trabalho deve esclarecer. Entretanto, se for comprovada essa intenção de impedir o acesso à Justiça, estaremos diante de um crime absurdo, verdadeiro atentado contra as relações de trabalho, e, diga-se, praticado pelo governo federal que deveria primar pelo respeito às nossas leis. Ademais não podemos esquecer outras questões que atingem todos os médicos contratados e não apenas os cubanos, as quais podem representar um agravamento expressivo do passivo trabalhista que será criado no programa “Mais Médicos”, tais como férias, 13º salário, fundo de garantia, horas extras, adicional noturno e outros. São matérias reguladas na Constituição Federal e no ordenamento jurídico infraconstitucional, e, portanto, precisariam de um estudo mais aprofundado. Entretanto o fato concreto é que a Justiça do Trabalho não vai aceitar documentos assinados por empregados abdicando de direitos previstos em lei. Frequentemente cláusulas de acordos e até convenções coletivas são anuladas pela justiça especializada, por incorrerem nesse erro. Ocorre que, se a Justiça do Trabalho aceitar a flexibilização irregular de direitos trabalhistas no caso dos profissionais contratados pelo programa “Mais Médicos”, está aberta a porta para aceitar o mesmo em relação a todos os demais empregadores do país. É um fato.
Em terceiro lugar, porque o governo de Cuba vai receber o pagamento destinado aos médicos cubanos que virão trabalhar aqui no Brasil, e com que direito e a que título reterá 70% do valor total disponibilizado pelo governo brasileiro? É importante que o Ministério Público Federal faça uma investigação dos termos desse acordo com Cuba. Afinal, estamos falando de quase trinta milhões de reais por mês. Essa falta de clareza e transparência pode servir para encobrir alguma fraude financeira. Não podemos esquecer que infelizmente o nosso país ultimamente tem sido sacudido por inúmeras notícias de corrupção e desvio de dinheiro público. É uma cautela necessária.
Em resumo, esse “imbróglio” todo na aplicação do programa “Mais Médicos” faz lembrar as ações de uma criança mimada, que bate o pé, grita e chora exigindo alguma coisa, mesmo a despeito dos alertas de adultos. Parece que a presidente Dilma resolveu que a grande ação social que representará o legado de seu governo será o programa “Mais Médicos”, e, portanto, ela decidiu que vai implantá-lo “a ferro e fogo” independentemente de qualquer argumento contrário. Levar os médicos para as regiões mais remotas do país é uma necessidade, porém, que isso se faça respeitando as particularidades técnicas desse tipo de programa, bem como prestigiando o nosso ordenamento jurídico. É o típico caso de uma idéia boa, porém, infelizmente aplicada de maneira errada.
Colaborador e autor:
Flávio Roberto
frbferreira@ig.com.br

IPSM NEGA ATENDER MILITAR COM CÂNCER, SOBRE ALEGAÇÃO QUE NÃO HÁ COBERTURA CONTRATUAL NO PROTOCOLO DE QUIMIOTERAPIA DO IPSM



O MILITAR EM ANEXO É O 3 SGT QPR ................................................

ESTA TOMANDO MEDICAÇÃO PRESCRITA PELO SEU MÉDICO, CONFORME ANEXOS, E FOI COBERTO PELO IPSM NOS ÚLTIMOS QUATROS MESES, SUA MEDICAÇÃO DEVERÁ SER CONCEDIDA NOVAMENTE A PARTIR DE 18/09/2013, O IPSM JÁ INFORMOU QUE ESTES MEDICAMENTOS NÃO ESTÃO COBERTOS, CORRE O RISCO DO MILITAR CESSAR O TRATAMENTO QUIMIOTERAPIA, DEVIDO A NEGATIVA DE ATENDIMENTO E A MEDICAÇÃO TEM UM CUSTO ALTÍSSIMO.
O MILITAR RESIDE NA CIDADE DE ASTOLFO DUTRA-MG.

30/08/2013

TRATAMENTO DESIGUAL ENTRE PRAÇAS E OFICIAIS PELA CORREGEDORIA DA PMMG


Atualizado em 30/08/2013 09h10 Manifestação de rodoviários fecha estações Diamante e Barreiro, em BH

Eles querem aprovação de projeto para ter cobradores nas viagens noturnas.
Sindicato não soube dizer quantas linhas foram afetadas.

Do G1 MG
Uma manifestação de motoristas e cobradores de ônibus fechou as estações Barreiro e Diamante, nesta sexta-feira (30), na Região do Barreiro, em Belo Horizonte. A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) informou que na Estação Barreiro os ônibus deixaram de circular às 5h45. No local, 31 linhas, sendo 10 troncais, 18 alimentadoras e 3 do DER, atendem a estação.

Atualizado em 30/08/2013 00h43 Dilma faz exames de rotina em SP

Presidente esteve no Hospital Sírio-Libanês nesta quinta-feira (29).
Nesta sexta, Dilma vai ao Suriname, para reunião da Unasul.

Do G1, em São Paulo
A presidente Dilma Roussef, durante visita a Campinas (SP) (Foto: Lana Torres/G1) 
A presidente Dilma Rousseff, durante visita a Campinas (SP). (Foto: Lana Torres / G1)
A presidente Dilma Rousseff fez exames de rotina nesta quinta-feira (29) em São Paulo, após compromissos em Campinas, no interior do estado. Ela esteve no Hospital Sírio-Libanês no início da noite, informou a Secretaria de Imprensa da presidência da República.

A assessoria não soube dizer o tempo que a presidente levou para realizar os exames, mas informou que Dilma embarcou para Brasília logo depois, desembarcando no Distrito Federal (DF) por volta das 21h40.
A assessoria confirmou que Dilma segue às 8h desta sexta (30) para o Suriname, para participar de reunião da Cúpula da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Nesta quinta, a presidente esteve em Campinas, a 95 km da capital paulista, para entregar 520 unidades habitacionais do programa "Minha Casa, Minha Vida" e para participar da formatura de 1.700 alunos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico (Pronatec).

28/08/2013

GOVERNADOR TRAI A TROPA

 
O Governador Anastasia mais uma vez, na surdina, impôs prejuízo aos militares. Desde a edição da Lei Complementar 109/2009, os militares têm o direito a promoção trintenária, utilizando-se do tempo de férias anuais e prêmio, contadas em dobro. A lei é cristalina ao prever a contagem em dobro deste tempo para fins de qüinqüênio, e inclusive para o adicional trintenário. Nenhum questionamento fora apresentado pelo Tribunal de Contas do Estado, órgão que dá a palavra final quanto à legalidade do processo de reforma com a conseqüente contagem de tempo.

Ao Editar o decreto 46.297/13 e 46.298/13 que contem o RPO e RPP respectivamente, o Governador impôs outro entendimento, vedado a contagem deste tempo para o direito a Promoção Trintenária.

Essa medida surpreendeu negativamente inúmeros militares, que seguindo entendimento prevalente, ou seja, de poderem contar referidos tempos, já se preparavam para o merecido descanso, utilizando-se da contagem em dobro do tempo relativo a férias anuías e premio não gozadas e com direito à promoção Trintenária.

“Essa medida impôs prejuízo e frustração a muitos militares, por isso, a ASPRA vai analisar juntamente com nossos advogados a viabilidade de interposição de ação judicial para preservar e garantir o direito da contagem de tempo (Férias anuais, prêmio em dobro) que prevaleceu até agora desde a vigência da Lei Complementar 109/2009”, afirmou Cabo Bahia, Presidente da ASPRA.     


Editorial do blog do Cabo Fernando: Olha a cara desses três individuo acima, o primeiro mais uma vez demonstra o quanto gosta do funcionalismo e tenta tirar mais direitos adquiridos, o segundo responsável pelo "GRANDE" para não dizer "RIDÍCULO" aumento salarial em 2010, aumento este homologado por todas as lideranças militares que participaram da vergonhosa Assembléia no interior do COPM no mesmo ano, o terceiro não tenho o que dizer nada dele mas ele vale tanto quanto os dois primeiros. Os três serão candidatos nas próximas eleições, mas só serão eleitos através de "VOTOS", é muito fácil, é juntar nós militares, familiares e funcionários públicos em geral e trabalharmos contra a vitória dos três. Mas sei que lutar contra a vitória desses três é uma tarefa difícil, pois o dinheiro que será usado nessa política é muito grande e dinheiro nosso, tem também a trairagem no nosso meio que são militares que faz e acontece mas no dia da eleição acabam trabalhando e vestindo a camisas desses péssimos políticos.
No caso da matéria acima eu pergunto, cadê nossos políticos? Cadê nossas associações (até o momento só vi uma manifestar-se sobre o assunto)? As eleições se aproxima e alguns dos "nossos representantes" começarão a debater-se entre si, um falando ou jogando indireta para o outro, talvez até usando o nosso "AUMENTO SALARIAL" como campanha, mas digo aqui para os senhores mais uma vez, todos os prováveis candidatos das nossas lideranças sem tirar nenhum, que estiveram no palanque no ginásio do COPM em 2010, assinaram concordando com o aumento e essa assinatura foi numa total trairagem a tropa, pois naquela nebulosa nenhum de nós que estávamos presentes aceitamos o índice do jeito que fora proposto, ou seja, parcelado até 2015, nós queríamos sair em passeata até o centro e nos juntar a PC para exigir do governo que o índice fosse dado de uma só vez e não parcelado como foi. Se os senhores eleitores deste blog fizerem uma pesquisa aqui mesmo, vera várias matérias da época sobre o assunto e com o nome de todos os envolvidos que assinaram esse vergonhoso aumento. Para não irmos muito longe, tem inclusive uma entrevista minha e da Renata Pimenta no antigo programa da Ascobom na rádio Itatiaia, entrevista esta em que um dos assuntos foi a trairagem de nossos representantes. 
AGORA EM ÉPOCA DE ELEIÇÃO MUITOS DE NOSSOS REPRESENTANTES IRÃO APARECER VESTIDOS EM PELE DE CORDEIROS E COMO SE NADA ESTIVESSE ACONTECENDO E NA MAIOR CARA DE PAU IRÃO PEDIR O SEU VOTO COM MENTIRAS PARA CONVENCÊ-LOS.

DENÚNCIA - MILITARES DO PELOTÃO BM JUATUBA, PEDEM SOCORRO - ATENÇÃO SENHOR COMANDANTE GERAL


Editorial do blog do Cabo Fernando: Em 24/01/2012 publiquei a matéria abaixo e a estou republicando hoje por notar que as coisas continua continua como antes no quartel de Abrantes, ou seja, nada mudou e nenhuma providência foi tomada quanto a segurança dos militares do Pelotão de Juatuba. Como que o militar pode trabalhar salvando vidas se a sua própria vida corre risco. Eu gostaria que algum militar do referido pelotão ao ler esta matéria me mandasse uma nota via e-mail dizendo qual a "graduação oi patente" mais alta que pertence ao mesmo, sou capaz de chutar "Sub Ten" ou já subindo muito "1º  Tenente", pois duvido muito que se o cmdo da unidade fosse acima de 1º Tenente, o Comandante Geral já teria tomado alguma providência quanto a segurança desses valorosos militares. Quanto o cmdo bloquear os blogs para que os militares do pelotão de Juatuba não leiam nossas notícias e denúncias, primeiro esta descumprindo uma determinação do próprio governador e segundo esta cerceando um dos direitos do cidadão (militar) que é o direito ao acesso a informação.

Prezado Fernando,
Mesmo com a denúncia, feita em em 24/01/2012: http://www.blogcabofernando.com/2012/01/denuncia-militares-do-pelotao-bm.html, e novamente em 14/02/2013: http://www.blogdarenata.com/2013/02/pel-bm-de-juatuba-continua-com-o-mesmo.html, ou seja 1 ano depois continua a Censura e Precariedade no Pelotão de Bombeiros de Juatuba.

A insegurança continua, pois até agora nada foi feito de concreto para cercar o local, permitindo que os Bombeiros que ali trabalham estejam em risco iminente e potencial de serem vitimados por algum atentado, pois o lugar é ermo, com alto índice de criminalidade, desova de cadáver, e intenso tráfico de drogas.

E coisas idênticas do período da Ditadura, censura aos meios de comunicação  após essas denúncias, pois o acesso aos blog's foram travados na rede de computadores do pelotão, contrariando Decreto em vigor do Governo de Minas de acesso à informação, rede esta que nem é do Corpo de Bombeiros, e sim cedida por um empresário de Mateus Leme.

BLOGS MILITARES E PRINCIPALMENTE ESTE "BLOG DO CABO FERNANDO", SÃO BLOQUEADOS NO PELOTÃO BM DE JUATUBA, DESCUMPRINDO DETERMINAÇÃO GOVERNAMENTAL E DIREITO A INFORMAÇÃO DE SEUS COMPONENTES. O PIOR QUE A INTERNET NEM É PAGO PELA CORPORAÇÃO OU GOVERNO MAS SIM POR UM EMPRESÁRIO LOCAL

Prezado Fernando,
Sou da graduação de ......., não falarei se sou ..., ... ou ... por ter essas três graduações de militares que trabalham aqui no Pelotão Juatuba, e ficará muito fácil para que o Comando e seus ........ identifiquem quem pode ser o denunciante. Mas não tem nenhum Subtenente.
Tenente tem, só que raramente aparece no Pelotão, nem o Oficial CBU que é responsável em coordenar a Tropa no turno de serviço operacional não aparece aqui, ou seja, estamos abandonados.
Quanto ao bloqueio de acesso aos blog's, principalmente ao seu, foi feito depois da denúncia desse ano, e após visita da Equipe da B/2, depois disso nunca mais podemos acessar blog nenhum, site de associações, ou seja, estão nos impedindo de ter acesso às informações e denunciar o descaso que o Comando do Pelotão, Comando do 2º BBM, Comando Operacional, Diretorias e da Corporação tem para conosco.
Ainda por cima a internet do pelotão é doada por um empresário de Mateus Leme, nem é do Corpo de Bombeiros, e, portanto, não é do Estado.

Atualizado em 27/08/2013 21h32 Júri condena Ricardo Atayde pela morte de bailarino no Norte de MG

Ele pegou 14 anos de prisão, mas vai aguardar recurso em liberdade.
Filho Diego Rodrigo Atayde foi absolvido em julgamento.
Do G1 MG
O júri popular dos acusados de matar o bailarino Igor Leonardo Lacerda Xavier terminou na noite desta terça-feira (27) com um dos réus absolvidos e outro condenado. De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Ricardo Atayde Vasconcelos foi condenado a 14 anos de prisão por homicídio duplamente qualificado. Já o seu filho, Diego Rodrigo Atayde Vasconcelos foi absolvido da acusação.
Juiz faz leitura de sentença no júri da morte do bailarino Igor Leonardo Lacerda Xavier. Um dos réus foi condenado o outro absolvido  (Foto: Raul Machado / TJMG)Juiz faz leitura de sentença no júri da morte do bailarino Igor Leonardo Lacerda Xavier. Um dos réus foi condenado o outro absolvido (Foto: Raul Machado / TJMG)
O julgamento já havia sido adiado duas vezes. O crime ocorreu há 11 anos em Montes Claros, no Norte de Minas. O corpo de Igor foi encontrado em 

Atualizado em 28/08/2013 09h29 Começa em Contagem júri dos dois últimos réus no caso Eliza Samudio

Eles respondem por sequestro e cárcere privado do filho de Eliza.
Advogados dos réus dizem que clientes não têm nada a ver com história.



Pedro TriginelliDo G1 MG

Elenilson da Silva e Wemerson Marques chegam ao Fórum de Contagem (Foto: Pedro Triginelli/G1)Elenilson da Silva e Wemerson Marques chegam ao
Fórum de Contagem (Foto: Pedro Triginelli/G1)














A juíza Marixa Fabiane Lopes iniciou, nesta quarta-feira (28), o júri popular dos dois últimos réus do caso Eliza Samudio. A sessão começou às 9h10, no Fórum Doutor Pedro Aleixo, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.  Elenilson da Silva e Wemerson Marques – o Coxinha – são acusados de sequestro e cárcere privado do filho da ex-amante do goleiroBruno Fernandes. O Ministério Público será representado pelo promotor Henry Wagner Vasconcelos de Castro. A previsão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) é de que o julgamento dure dois dias.

Atualizado em 28/08/2013 07h50 Pressionado pelo dólar alto, BC deve subir juro pela quarta vez consecutiva

Taxa básica da economia deve avançar de 8,5% para 9% ao ano hoje.
Economista vê IPCA ao redor de 6% em todo governo Dilma Rousseff.
Alexandro MartelloDo G1, em BrasíliaPressionado pela alta do dólar e seu respectivo impacto na inflação, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve elevar a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 0,5 ponto percentual nesta quarta-feira (28) de 8,5% para 9% ao ano. Se confirmada, será a quarta elevação consecutiva, levando os juros ao maior patamar desde março de 2012. A decisão será anunciada após as 18h.

27/08/2013

Atualizado em 27/08/2013 10h34 Júri de acusados de matar bailarino em Montes Claros começa em BH

Dos três crimes da denúncia, dois prescreveram.
Igor Xavier foi morto em 2002; pai e filho são réus no julgamento.

Do G1 MG
Pai e filho chegam ao local do julgamento em BH (Foto: Reprodução/TV Globo) 
Pai e filho chegam ao local do julgamento em BH
(Foto: Reprodução/TV Globo)
O juiz Glauco Eduardo Soares Fernandes deu início, às 9h40 desta terça-feira (27), à sessão do júri popular, no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, de dois acusados de matar o bailarino e coreógrado Igor Lacerda Xavier. O crime foi em março de 2002, em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais.

Atualizado em 27/08/2013 12h21 Três réus da Chacina de Unaí começam a ser julgados em BH

A previsão é que a primeira testemunha seja ouvida nesta terça.
Quatro servidores do Ministério do Trabalho foram mortos em 2004.

Pedro Triginelli Do G1 MG
Réus da Chacina de Unaí chegam para julgamento, em Belo Horizonte (Foto: Reprodução/TV Globo) 
Réus da Chacina de Unaí chegam para julgamento, em
Belo Horizonte (Foto: Reprodução/TV Globo)
Começou às 9h40 desta terça-feira (27), em Belo Horizonte, a sessão do julgamento de parte dos acusados de matar quatro servidores do Ministério do Trabalho no episódio conhecido como a "Chacina de Unaí", no Noroeste de Minas Gerais. O crime aconteceu há quase dez anos. O júri popular de três dos oito réus é realizado no Tribunal da Justiça Federal na capital mineira.

- Atualizado em 27/08/2013 13h39 Desabamento de loja em construção em SP deixa mortos e feridos

Até 12h, sete mortes foram confirmadas; 24 pessoas ficaram feridas.
Bombeiros usaram cães farejadores para buscar sobreviventes.

Do G1 São Paulo

Pelo menos sete pessoas morreram no desabamento de um prédio na manhã desta terça-feira (27) na região de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo. A informação foi confirmada às 12h pelos Bombeiros. No horário, três corpos já tinham sido retirados.
O desabamento total do imóvel de dois pavimentos aconteceu por volta das 8h30, na Avenida Mateo Bei, próximo à Avenida Maria Cursi. A estimativa é que cerca de 35 pessoas estivessem na obra de construção de uma loja da rede Torra Torra no momento do acidente - a maioria delas operários. Segundo a Subprefeitura de São Mateus, antes do início da obra, um posto de gasolina funcionava no local.
Até as 13h, pelo menos 24 pessoas foram socorridas - a maioria com ferimentos de intensidade leve e moderada. De acordo com os bombeiros, os mortos estavam nos fundos do imóvel, enquanto a maioria dos sobreviventes estava no meio da construção, onde se formou um bolsão que permitiu que houvesse sobreviventes.

25/08/2013

Atualizado em 25/08/2013 09h22 Churrasco em família termina com três baleados em Belo Horizonte

Suspeito é sobrinho e neto de participantes da festa.
Ele era vizinho, e teria se irritado com o volume do aparelho de som.

Do G1 MG

Um churrasco em família terminou com três pessoas baleadas na madrugada deste domingo (25), no bairro Pindorama, na Região Noroeste de Belo Horizonte. Segundo informações da Polícia Militar (PM), o crime teria sido cometido por um membro da família, que morava em um lote aos fundos da casa onde estava sendo realizado o churrasco.

O vizinho, de 20 anos, estaria incomodado com o volume do som da festa, da qual participavam a avó e um tio do jovem. Ele foi até o local para reclamar do barulho. Contudo, ainda segundo a PM, quando os participantes do churrasco se recusaram a abaixar o som, o jovem teria desligado o aparelho à força, puxando o cabo da tomada, e ameaçado os moradores.

O suspeito teria voltado à sua casa e buscado uma arma, com a qual atirou em três pessoas que participavam da festa. A avó do suspeito, de 69 anos, foi atingida com um tiro no joelho, e o tio, de 30 anos, sofreu um corte causado por uma bala de raspão. Uma terceira vítima, de 32 anos, cujo parentesco com o suspeito não foi confirmado, levou um tiro no peito.
Segundo informações das vítimas, o pai do suspeito teria o incentivado a cometer o crime. O pai foi ouvido, mas recusou as acusações. O suspeito está foragido, e as vítimas, que foram encaminhadas ao Hospital João XXIII, não correm risco de morte.

 

- Atualizado em 25/08/2013 08h53 Senador boliviano chega a Brasília e agradece autoridades brasileiras

Senador viajou de carro da embaixada brasileira de La Paz até Corumbá.
Segundo Ricardo Ferraço (PMDB-ES), boliviano é 'refugiado'
.

Cíntia Acayaba Do G1, em Brasília
Roger Pinto chega a Brasília (Foto: G1) 
Senador Roger Pinto chega a Brasília
(Foto: Cíntia Acayaba/G1)
O senador boliviano Roger Pinto desembarcou à 1h10 deste domingo (25) no aeroporto internacional de Brasília acompanhado pelo senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado. Pinto deixou La Paz em um carro da embaixada brasileira  e foi até Corumbá (MS), de onde seguiu para a capital.
O senador estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia havia mais de um ano, alegando perseguição política do governo Evo Morales. Ao desembarcar em Brasília, Pinto agradeceu às autoridades brasileiras.
“Fiz boa viagem acompanhado do senador. Devo agradecer a todo Brasil e suas autoridades”.

20/08/2013

DESABAFO DE UMA PESSOA QUANTO AÇÃO DESNECESSÁRIA DE ALGUNS POLICIAIS MILITARES DO POLICIAMENTO "VELADO" DE J.D.R CONTRA UM OFICIAL BM E SUA NAMORADA SD PM

origem http://www.blogcabofernando.com/

Venho manifestar minha indignação quanto ao trabalho realizado pela PM de São João Del Rei neste fim de semana. Estava a (Sd da PMMG) e seu namorado (oficial do CBMG) ambos de BH a passeio no show do João Bosco e Vinicius, na exposição de São João Del Rei, quando foram abordados violentamente. Sem sequer pedirem identificações, 03 (três) PMs velados chegaram por trás e jogaram o oficial BM no chão algemando-o agressivamente, resultando em lesões e edemas na região dos pulsos. Ressalto que o BM ficou impossibilitado de se identificar devido ação despreparada e inconsequente dos PMs velados, por estar contido no chão e com vários PMs fardados  ao redor que haviam chegado ao local logo após o fato.
 Mesmo sua namorada tendo se identificado que era PM e seu namorado BM foi em vão, encaminhando-os para o posto policial. Somente no posto policial souberam o porquê de estarem ali, segundo a PM, havia denúncia de uma pessoa armada.
 
 Assim foi lavrado um APF que alegava Porte ilegal de arma e resistência, situação que não condizia com a realidade, pois o BM possui craf e o devido porte de arma. Também conforme relatado a ação da PM ao agarrar o BM por trás repentinamente e jogando-o no chão, não dando chance de se identificar, causou o chamado “ação e reação”, pois ele assustado se defendeu pensando se passar de bandidos querendo lhe roubar a arma.
 Tal despreparo da PM gerou a mim grande indignação e constrangimento, acredito que o mesmo aconteceu com eles, pois diante dos conhecidos que estavam no local, e principalmente ao BM por ter sofrido grande humilhação de ser detido como um bandido.
             Na minha observação houve despreparo total na abordagem, como uma PM detentora de conhecimentos técnicos, na realização de uma abordagem segura para si e para terceiros age dessa maneira?
Fica a minha indignação e preocupação com a forma que a referida PM de SJDR agiu. Ressalto também, que devido à necessidade de identificação, na entrada do parque de exposição havia seguranças que estavam ciente de militares á paisana armados.
A abordagem despreparada gerou riscos devido ao fato de ter sido no meio da multidão. Imagino se realmente fosse um bandido e sua namorada também estivesse armada, ou se houvessem outros meliantes armados, nessa hora seria mais um(s) PM(s) executado(s) por falta de preparo na abordagem, também gerou riscos a milhares de pessoas que estavam ao redor! E se de fato a namorada estivesse armada e achasse que os PMs velados eram bandidos querendo lhe roubar?...Fico imaginando as inúmeras intercorrências que poderiam resultar daquela abordagem atrapalhada.
             Enfim, a mim só cabe contar o fato e demonstrar a minha indignação e preocupação de como as coisas caminharam. Este é só um desabafo testemunhal sobre um acontecimento que julguei o uso da força DESNECESSÁRIA, IRRACIONAL e INCONSEQUENTE, onde demonstra uma PM despreparada para agir no meio da multidão ou fora dela.
            Penso também se agiram assim com um oficial militar, deus sabe se fosse apenas um civil “pego por engano”...

Atualizado em 20/08/2013 07h06 Médica que cuidava de suspeito de matar pais será ouvida nesta terça

Mais de 30 pessoas já conversaram com investigadores.
Menino sofria de doença genética que pode levar à morte precoce.

Do G1 São Paulo

Uma médica que cuidava de Marcelo Pesseghini, de 13 anos, deve ser ouvida pela Polícia Civil nesta terça-feira (20). Ele é apontado pela polícia como o suspeito de matar os pais, a avó e a tia-avó, na Brasilândia, na Zona Norte de São Paulo.

O adolescente sofria de fibrose cística, doença genética que afeta o funcionamento de secreções do corpo, levando a problemas nos pulmões e no sistema digestivo. A doença, que não tem cura, pode levar a morte precoce.

- Atualizado em 20/08/2013 09h17 Morre aos 56 anos o deputado José Henrique Lisboa Rosa, em BH

Ele lutava contra um câncer desde 2008.
Deputado foi o primeiro vice-presidente da ALMG.

Do G1 MG

Deputado José Henrique Lisboa Rosa, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Foto: Divulgação/ Assessoria de Imprensa da ALMG) 
Deputado José Henrique Lisboa Rosa, na ALMG
(Foto: Divulgação/ Assessoria de Imprensa da ALMG)
Morreu, na madrugada desta terça-feira (20), em Belo Horizonte, o deputado estadual e primeiro vice-presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), José Henrique Lisboa Rosa, de 56 anos. Natural de Abre Campo, na Zona da Mata, ele lutava contra um câncer desde 2008 e estava no quinto mandato na ALMG.

José Henrique trabalhou como funcionário público desde 1976, quando era servidor na ALMG. Ele permaneceu no cargo até se tornar deputado, em 1994. Entre as atuações mais importantes, o deputado foi presidente da Comissão Interestadual Parlamentar de Estudos para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia do Rio Doce (Cipe Rio Doce) e das comissões de Assuntos Municipais e de Defesa Social da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, de 1995 a 1998.
 
Partidário do PMDB, José Henrique deixa mulher e 3 filhos. Segundo a assessoria do deputado, o enterro será realizado às 16h, no Cemitério Parque da Colina, na Região Oeste da capital mineira

Atualizado em 20/08/2013 06h54 Homem é preso suspeito de estuprar enteada em Belo Horizonte

PM disse que crime aconteceu no bairro Caiçara.
Suspeito negou acusações e disse que enteada tem raiva dele.

 Do G1 MG

Um homem foi preso nesta terça-feira (20), suspeito de estuprar a enteada de 12 anos, no bairro Caiçara, na Região Noroeste de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Militar (PM), a mãe da vítima contou que o padrasto, de 39, acariciava as partes íntimas da menina.

Ainda segundo a PM, o suspeito teria pedido para que a garota não contasse nada a ninguém. Ele negou as acusações e se defendeu dizendo que a enteada teria raiva porque ele tem um bom casamento com a mãe dela.

Atualizado em 20/08/2013 10h01 Integrantes do MST fazem manifestação em Belo Horizonte

Eles protestam contra adiamentos do julgamento do Massacre de Felisburgo.
Segundo polícia, cerca de 300 pessoas participam do ato.

 Do G1 MG

Cerca de 300 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) fazem uma manifestação nesta terça-feira (20) em Belo Horizonte. Eles protestam contra os adiamentos do julgamento do crime conhecido como Massacre de Felisburgo.

Uma nova sessão está marcada para esta quarta-feira (21) no Fórum Laffayette, em Belo Horizonte. De acordo com representantes do MST, o julgamento foi adiado duas vezes e, agora, eles esperam que Adriano Chafik Luedy, um dos réus no processo, seja condenado.

Segundo a polícia, às 9h50, os manifestantes ocupavam duas faixas na Avenida Antônio Carlos e seguiam em direção ao fórum. A Polícia Militar, a guarda Municipal e a BHTrans acompanham o protesto. Os manifestantes pretendem passar pela Praça Sete antes de chegar ao fórum.

O Massacre de Felisburgo foi na Região do Vale do Jequitinhonha em 2004. Na ocasião, cinco pessoas foram assassinadas e outras 20 ficaram feridas.

 

15/08/2013

FAMÍLIA ASSASSINADA - Major diz que mãe do garoto foi convidada a roubar caixas

Editorial do blog: Desde o dia desta chacina quando o delegado responsável pela apuração dos fatos começou a dizer que o suspeito dos assassinatos era o menino Marcelinho, eu fiquei de orelha em pé e não acreditei como não acredito que foi a criança. Para um adulto já seria difícil acreditar, agora imputar toda a trama que é quase um crime perfeito a uma criança de 13 anos, acho que ai foi o pecado que os possíveis autores cometeram. Se nós começarmos do início, com a primeira morte segundo a PC do pai da criança (SGT PM) que foi morto 10 horas antes das demais vítimas, veremos que não encaixa bem. Se as demais vítimas foram mortas por volta das 00h:00min / 01h:00m, o pai então foi morto as 13h:00min  do dia anterior, a criança ficou todo esse tempo com o pai morto supostamente por ele até a madrugada quando matou os demais? A mente desse menino seria tão perversa ao ponto de não sentir nenhum remoço durante esse tempo, de na dar nenhuma mancada, de ainda ter a capacidade de pegar o carro dos pais, dirigir até a escola e dormir dentro do mesmo até chegar a hora de entra, frequentar as aulas normalmente como se nada estivesse acontecido, como se ele não estivesse matado 4 pessoas que ele mais amava em sua vida, é impossível acreditar que todo esse mecanismo maquiavélico tenha sido cometido por uma criança de apenas 13 anos, mas é fácil culpa-la já que não pode se defender pois também foi morta. São vários pontos obscuros, o próprio carro levado durante a madrugada para a escola e que estão dizendo que foi o meno que estava dirigindo, nós vimos o carro pela rua, vimos ele parado próximo a escola, a câmera filmou isso mas não filmou o garoto saindo do mesmo, apenas o garoto andando próximo  se aparece o carro parado deveria aparecer o garoto saindo. Será que essa criança ao ir para a escola estava em sua casa? Será que ela não saiu da casa de algum parente ou algum amigo? Será que ela sabia que os seus país já estavam mortos? Eu não acredito nessa hipótese  ela não teria um sangue tão frio em dormir dentro do carro e frequentar a aula normalmente.

De cara foi muito estranho a PM paulista quando tomou conhecimentos dos fatos, imediatamente foi a residencia e em vez de preservar o local até a chegada da perícia, adentrou e remexeu tudo, modificando e atrapalhando os trabalhos periciais, porque será que isso aconteceu? Porque o comandante da cabo morta deu uma declaração que a falecida havia feito uma denuncia de roubo a caixas eletrônicos contra militares de seu batalhão e logo depois de haver se reunido com o CG, desmentiu tudo que disse? Porque até agora não foi esclarecido pela PC o fato das duas pessoas sendo uma fardada e outra a paisana, que foi vista por uma testemunha pulando o muro da casa no dia do crime por volta das 13h:00min e ao serem indagadas pela mesma testemunha, disseram que no interior da casa todos estavam mortos? E o militar amigo da cabo morta, que esteve na casa por volta das 14:00 hs e viu a casa totalmente fechada, foi embora e retornou a noite quando percebeu que a porta estava aberta e a luz acesa. Prestem bem a atenção na parte grifada, as 14:00 hs quando esse militar viu que a casa estava fechada e as luzes apagadas, o garoto estava morto, portanto que abriu a porta e acendeu as luzes? A prova de que o garoto estava morto é justamente as duas pessoas que foram vistas pela testemunha pulando o muro (segundo a mesma por volta das 13:00 hs) e disseram que todos estavam mortos. 
Achem essas duas pessoas vistas pela testemunha pulando o muro e muitas coisas serão esclarecidas. 

Corregedoria informa que vai investigar policiais que teriam feito o convite a cabo

Jornal o Tempo
quem são os policiais militares que teriam chamado a cabo Andreia Regina Bovo Pesseghini, 36, mSão Paulo. A Polícia Militar informou que vai investigar orta com a família na semana passada, para participar do roubo de caixas eletrônicos.
Anteontem, o deputado Olímpio Gomes (PDT), major da reserva da PM, denunciou o caso à Corregedoria da corporação. Gomes disse que a policial chegou a denunciar os colegas na época ao seu superior, o capitão Fábio Paganoto. Porém, conforme o deputado, o capitão tentou apurar o fato e acabou sendo transferido para outro batalhão.
Em nota, a PM informou ontem que a transferência de Paganoto não tem “qualquer relação com a suposta denúncia”.
A cabo Andreia foi assassinada no último dia 5. A investigação da Polícia Civil aponta que o principal suspeito do crime é seu filho, o estudante Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13. Conforme os investigadores, o jovem se matou após assassinar a tiros quatro familiares, a mãe, o pai (que também era policial militar), a avó e uma tia-avó.
Na quarta-feira da semana passada, o tenente-coronel Wagner Dimas, então comandante do 18º Batalhão, disse em entrevista à rádio Bandeirantes que a policial havia delatado colegas envolvidos em roubo a caixas eletrônicos e que não acreditava que o menino fosse o responsável pelas mortes. No dia seguinte, ele foi chamado para depor na Corregedoria da PM e desmentiu os fatos. Na ocasião, o policial disse que não foi claro ao se expressar ao repórter que o entrevistava.
Dimas foi afastado anteontem do comando do 18º Batalhão. A reportagem apurou que ele foi deslocado para fazer trabalhos administrativos no batalhão responsável por planejar ações de policiamento comunitário.
Ontem, também por meio de nota, a PM informou que o coronel Dimas está em tratamento de saúde.
Cena do crime. A casa onde a família foi morta não teve a cena de crime totalmente preservada. A informação consta de nota divulgada ontem pela Secretaria da Segurança Pública de São Paulo.
“O departamento apenas confirmou afirmação da imprensa de que o local ‘não estava totalmente idôneo’. Isso não quer dizer que houve violação proposital da cena do crime”.

12/08/2013

Legista do caso PC Farias contesta PM de SP e diz que filho de sargento da Rota foi assassinado


O médico legista e professor da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) George Sanguinetti, conhecido por refazer o laudo das mortes do casal PC Farias e Suzana Marcolino e apontar que eles foram assassinados em 1996, afirma que o filho do casal de policiais militares paulistas Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13, também foi assassinado junto com os pais Aliny Gama/UOL.















  • QUEM É O PERITO

    O alagoano George Sanguinetti é médico legista desde 1971. Também é professor da Ufal (Universidade Federal de Alagoas) nos cursos de medicina e direito, nas disciplinas de medicina legal. É coronel médico da PM de Alagoas. Sanguinetti ficou conhecido por refazer o laudo das mortes do tesoureiro do ex-presidente Fernando Collor de Melo, PC Farias, e da namorada, Suzana Marcolino, ocorridas em 23 de junho de 1996, assinado pelo legista Badan Palhares. O legista também trabalhou nos laudos das mortes da procuradora de Justiça de São Paulo Denise Piovani, em 1996. Foi contratado pelas defesas do casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, ambos, condenados pela morte da menina Isabela Nardoni, do goleiro Bruno, apontado na morte da amante dele Elisa Samundio, além de ter atuado no caso do turista inglês Neil Juwwahers, preso por estar alcoolizado e encontrado morto em uma cela da Delegacia de Proteção ao turista de Fortaleza, em 2008, dentre outros casos que tramitam sob sigilo de Justiça em tribunais brasileiros e internacionais. Ele escreveu o livro A morte de PC e Suzana: o dossiê Sanguinetti.
Marcelo é até o momento o principal suspeito de ter matado o pai, o sargento da Rota (tropa de elite da PM) Luís Marcelo Pesseghini, 40, a mãe, a cabo Andréia Pesseghini, 36, a avó e uma tia avó. Para a polícia, o adolescente cometeu os quatro assassinatos entre a madrugada do último domingo (4) e a de segunda (5), com a arma da mãe, uma pistola .40, e se matou no começo da tarde de segunda, ao voltar do colégio. 
Ao analisar as fotos da sala em que Marcelo e os pais foram encontrados mortos, Sanguinetti foi categórico ao afirmar que a posição do corpo do adolescente não é compatível com a de um suicídio, e sim, com a de um assassinato.
"Há muita clareza nas posições dos corpos, que mostram que os três foram assassinados. Ao fazer os cálculos de corpos com estatura semelhantes à da mãe e do filho, podemos observar que todos foram mortos por outra pessoa", disse Sanguinetti, explicando em um cenário montado com um colchão no chão e um boneco na posição semelhante à qual Marcelo foi encontrado morto.
"A posição em que o corpo do menino caiu, com a mão direita em cima do lado esquerdo da cabeça e o braço esquerdo dobrado para trás, com a palma mão esquerda aberta para cima, não é compatível com a posição de um suicida, e sim, com a de uma pessoa que foi assassinada. A arma do crime também não está no local compatível, que iria aparecer na foto em cima da cama ou próximo aos joelhos do menino", explicou Sanguinetti.
Para ele, a equipe da perícia precisa refazer os cálculos do trajeto dos corpos ao serem atingidos pelos projéteis porque a conclusão está equivocada ao afirmar que o menino assassinou os pais e depois se matou. Ele explicou que não é impossível refazer os cálculos mesmo com o cenário desfeito e que os peritos devem se basear nas imagens para concluir "claramente" que o menino também foi vítima.
Ampliar

5.ago.2013 - Em foto de rede social, Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13, brinca com medalha no uniforme do pai, o sargento da Rota (tropa de elite da PM paulista) Luis Marcelo Pesseghini, que foram encontrados mortos junto com a mulher do sargento, que era cabo da PM, Andreia Regina Bovo Pesseghini, dentro de casa no bairro da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, nesta segunda-feira (5). Além dos três, a mãe da cabo e a irmã dela foram encontradas mortas em outra casa que fica no mesmo quintal. A polícia trabalha com a hipótese de que o garoto tenha atirado nos membros da família e depois se matado Leia mais Reprodução/Facebook

"Apesar de as pessoas próximas ao menino dizerem que ele sabia atirar, a forma como cada um deles foi morto, com apenas um tiro na cabeça, é de atirador profissional. Por mais que o menino tivesse habilidade, ele iria efetuar mais de um disparo para atingir os corpos dos pais e para se certificar de que eles teriam morrido", argumentou o legista.
Sanguinetti disse que também seguiu os cálculos da medicina legal para afirmar que o corpo de Andreia foi colocado no local em que foi encontrado. Para ele, a policial não foi morta na posição fetal. "A parte do corpo que ficou suspensa na cama corresponde a 15% da massa [corporal da vítima], e o peso restante iria fazer o corpo ser arrastado para o chão. Jamais, ao levar um tiro, o corpo conseguiria se manter em uma posição que a parte mais leve seguraria a parte mais pesada, a não ser que já estivesse com rigidez cadavérica, como podemos observar na foto."
O legista também questionou o argumento de que não foi detectada a presença de chumbo, antimônio, bário e pólvora nas mãos do menino, e que, ao efetuar supostamente os cinco disparos que mataram o adolescente, os pais, a avó Benedita de Oliveira Bovo, 67, e a tia Bernadete Oliveira da Silva, 55, o polegar e a parte dorsal da mão esquerda, obrigatoriamente, teriam algum vestígio.
"Informaram que o menino era sinistro e nem a mão esquerda, a provável a ser usada para fazer os disparos, e nem direita apareceram com resíduos de tiros. Obrigatoriamente quando efetuam-se disparos de arma de fogo os resíduos aparecem. Se disserem que ele efetuou e deu negativo o exame residuográfico estamos indo de encontro com toda a medicina legal", afirmou
O médico legista questionou ainda o porquê da equipe de criminalistas não realizar exame em microscópio para observar resíduos dos tiros na derme e na epiderme do garoto. "Eles fizeram exames somente com a lavagem das mãos em soro, mas deviam ter retirado pedaços da pele do menino para investigar os resíduos e iriam encontrar", disse.

Sanguinetti disse que também analisou os relatos do cenário da casa dos PMs paulistas assassinados e afirmou que a equipe de peritos só observou se o portão e a porta estavam intactos, sem sinais de arrombamento. "Tinha uma janela com o cadeado arrombado e eles ignoraram a informação da cena. Provavelmente a pessoa que matou os cinco entrou pelo local."

Sargento pode ter morrido 10h antes que família

A conclusão dos médicos legistas constará no laudo elaborado pelo Instituto de Criminalística e que deverá ser entregue à Polícia Civil de São Paulo até o meio da semana.
O IC utiliza análise de manchas de sangue para indicar o momento em que o sargento foi morto. Também durante os próximos dias, o instituto deverá concluir o laudo necroscópico das outras vítimas e apontar, por exemplo, se alguma delas havia sido sedada ou se continha vestígios de pólvora.
Também aguardam o resultado de análise de peritos o computador e telefones celulares apreendidos na casa da família. Procurada nesse sábado, a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que "só serão considerados laudos oficiais do caso".